“(...) um espectáculo  ímpar (…) Vencedores do concurso de projectos artísticos para o Serralves em Festa 2008, foi notório o fantástico improviso desempenhado pelos actores.”

 

Cláudia Marques de Sá

40horasemserralves.blogs.sapo.pt, 9 Jun 2008

 

 

Os objectos que cruzam a nossa existência cercam-se de conotações que lhe acrescentam uma dimensão sensível. Num armário guardamos toda a parafernália de coisas que, culturalmente, nos habituámos a amontoar, dando-lhe uma ordem e um local específico dentro do espaço doméstico. Ele cumpre propósitos de arrumação, de higiene e de catalogação. Mas, também por ser um espaço onde empilhamos coisas, o armário transforma-se num espaço pessoal de memória, de identificação afectiva. Um espaço de narrativas.

coisas de armário

2008

teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser